Eudes Quintino de Oliveira Junior, Advogado

Eudes Quintino de Oliveira Junior

São José do Rio Preto (SP)
741seguidores0seguindo
Entrar em contato

Sobre mim

Pós-Doutor em Ciências da Saúde. Mestre em Direito Público. Professor de Processo Penal, biodireito e bioética. Promotor de Justiça aposentado/SP. Advogado. Reitor do Centro Universitário do Norte Paulista.

Verificações

Eudes Quintino de Oliveira Junior, Advogado
Eudes Quintino de Oliveira Junior

Autor (Desde Aug 2014)

Comentarista (Desde Aug 2014)

Principais áreas de atuação

Direito Penal, 25%

É o ramo do direito público dedicado às normas emanadas pelo Poder Legislativo para reprimir os d...

Direito Processual Penal, 25%

É o ramo de estudo tradicionalmente voltado à a atividade de jurisdição de um Estado soberano no ...

Direito Processual Civil, 25%

É o conjunto de princípios e normas jurídicas que regem a solução de conflitos de interesses por ...

Direito Civil, 25%

É o principal ramo do direito privado. Trata-se do conjunto de normas (regras e princípios) que r...

Comentários

(2)
Eudes Quintino de Oliveira Junior, Advogado
Eudes Quintino de Oliveira Junior
Comentário · há 2 anos
Olá, Murilo!
Parabéns, em primeiro lugar, pela sua manifestação brilhante e polida. O Direito é uma ciência que, obrigatoriamente, provoca pontos de divergências e o debate se torna salutar porque é do atrito das pedras que se produz o fogo.

A respeito do assunto, propositadamente abordado, alguns esclarecimentos se fazem necessários, justamente porque o tema é complexo e os institutos bastante similares. Vejamos.
O desfalque patrimonial não é suficiente para se diferenciar furto qualificado pela fraude e estelionato, já que a vítima experimenta prejuízo em ambos os casos.
A diferença, então, reside justamente no verbo subtrair. Ao contrário do afirmado, o verbo subtrair não implica, jamais, entrega do bem. Subtrair significa retirar, sem autorização da vítima, algum bem do patrimônio dela. Para fazer isso, o agente pode se valer de alguma distração da vítima; da ausência dela no local; escalada; rompimento de obstáculo; abuso de confiança; fraude etc. Em todas essas hipóteses de furto, o agente retira (subtrai) o bem da vítima. No furto qualificado pela fraude, o agente cria um engodo, uma enganação, para manter a vítima em erro e fazer com que ela não perceba a subtração. Veja: a vítima não entrega o bem; o agente é que lhe subtrai a coisa e, para isso, usa um golpe, uma falácia, uma fraude, para que ele (agente) possa se apoderar do bem pertencente a vítima.
Já no estelionato ocorre a efetiva entrega do bem, pela vítima, ao golpista. Não há subtração, jamais. O agente cria uma situação que faz com que a vítima, ludibriada pela encenação, lhe entregue o bem por ele desejado. Note que também há desfalque patrimonial. Mas jamais há que se falar em subtração: é o exemplo do caso em estudo. O agente cria uma encenação com o fim único de obter o celular da vítima. Porém ele não subtrai o celular! Ele faz com que a vítima lhe entregue. Ou seja, estelionato.
Concluindo, então: a entrega do bem não é ato obrigatório para a tipificação dos dois delitos. A entrega do bem tipifica o estelionato; a subtração, o crime de furto. Se o agente se valer de fraude (ou demais qualificadoras do artigo
155, § 4º, CP) cometerá furto qualificado, porque o verbo subtrair denota que o agente retira, por ato dele, o bem da vítima, nada havendo que se confundir com a entrega do bem.
Um abraço!

Perfis que segue

Carregando

Seguidores

(741)
Carregando

Tópicos de interesse

(4)
Carregando
Novo no Jusbrasil?
Ative gratuitamente seu perfil e junte-se a pessoas que querem entender seus direitos e deveres

Outros advogados em São José do Rio Preto (SP)

Carregando

ANÚNCIO PATROCINADO

Eudes Quintino de Oliveira Junior

Entrar em contato